• Detalhe pintura Aredores de Curitiba
  • Detalhe pintura Duas Racas
  • Detalhe pintura Entrada Barra Sul Por do Sol
  • Detalhe pintura Mulher Desconhecida
  • Detalhe pintura Paisagem com Lírios
  • Detalhe pintura Paisagem Paranaense

Histórico


O Museu Alfredo Andersen (MAA) tem sua origem na Sociedade de Amigos, criada por pessoas que conviveram com Alfredo Andersen e o admiravam. A Sociedade, instituída em 3 de novembro de 1940, tinha como principal objetivo criar na edificação onde Andersen viveu e trabalhou como artista e educador (localizada na Rua Mateus Leme, nº 336, do bairro São Francisco) uma unidade museológica para preservação de sua obra que desse continuidade aos seus ideais. A partir disso, em 1947 o deputado estadual Rivadávia Vargas formalizou uma proposta ao Poder Público para dar início a um processo de desapropriação do imóvel para ser utilizado para a preservação da memória de Andersen. Essa proposição foi concretizada em 1959, com a abertura da Casa de Alfredo Andersen – Escola e Museu de Arte. Em 1979, a instituição passou a ser denominada Museu Alfredo Andersen.


O edifício onde hoje é a sede do MAA remonta ao final do século XIX. É uma edificação eclética, com características do estilo neoclássico desenvolvido pelos imigrantes alemães que se fixaram em Curitiba. Composta por dois pavimentos e confeccionada em alvenaria de tijolos, possui uma fachada principal simétrica, na qual se destacam os elementos decorativos bastante estilizados, uma pequena varanda de peitoril metálico e a placa alusiva a Alfredo Andersen criada por João Turin.

Antes de ser a sede do MAA, a edificação abrigou diferentes instituições. Foi originalmente construída para o funcionamento de uma sociedade recreativa alemã, depois se transformou na residência, ateliê e escola de artes de Alfredo Andersen, e de 1935 a 1964 foi a residência, ateliê e escola de artes de seu filho, Thorstein Andersen. Durante anos Thorstein manteve as funções do espaço estabelecidas por seu pai, mas ampliou a edificação para torná-la mais apta às suas próprias necessidades. A construção, desapropriada e restaurada parcialmente em 1959, foi tombada pelo Patrimônio Histórico e Artístico do Paraná em 1971. Entre 1988 e 1989 foi totalmente restaurada e ganhou o aspecto que mantém até hoje.

Assim como Alfredo Andersen é uma personalidade de destaque na história da arte do Paraná, o Atelier de Arte do Museu Alfredo Andersen e o Centro Juvenil de Artes Plásticas destacam-se na história do ensino de artes no Estado – os quais tiveram entre seus alunos e docentes pessoas de relevância para a história da cultura paranaense.
Recomendar esta página via e-mail: